domingo, 11 de junho de 2017

7 atrações na Praça Vermelha muito além do Mausoléu

                                                 



Igrejas fantásticas, um shopping center de luxo e 
festivais ocorrem na principal praça do país

Aleksandra Guzeva, Gazeta Russa

A Praça Vermelha é a mais importante da Rússia. Seu nome vem do russo antigo, onde “krásnaia”, ou seja, “vermelha”, também significava “bonita”. E assim é essa locação: a mais bonita praça do país, bem lado dos muros do Kremlin. Mas, apesar de todo bom turista querer ver o mausoléu do líder revolucionário Vladimir Lenin, ali instalado, é possível encontrar nesse endereço muitas outras atrações incríveis. A Gazeta Russa compilou uma lista delas:


Este prédio de tijolos vermelhos não vai passar despercebido por você de jeito nenhum, e é a primeira coisa com a qual você topará ao chegar à praça vindo dos metrôs Teatrálnaia, Okhôtni Riad ou Ploshad Revoliutsi.

Na verdade, o museu apenas finge parecer tão tradicional como a Rússia antiga do século 16, mas foi construído já no final do século 19 a mando do tsar Aleksandr II. Os arquitetos foram incumbidos de construir o edifício de maneira que ele não se distinguisse do conjunto arquitetônico da praça e do Kremlin.

A exposição fixa do museu é muito interessante, e todo estudante moscovita deve se lembrar de quando observou naquelas paredes a árvore genealógica dos tsares russos ali pintada. Além de percorrer a história antiga até a do século 20, o museu também abriga frequentemente as mais diversas exposições.

2. Catedral de Kazan

Entrando na Praça Vermelha pelos Portões Voskressênskie, você verá a sua esquerda uma pequenina e aconchegante igreja. Esta é a Igreja de Nossa Senhora de Kazan, ou apenas Catedral de Kazan. A imagem de Nossa Senhora de Kazan fica em em cima da porta, e é uma das mais adoradas da Rússia ortodoxa.

A igreja foi construída inicialmente em 1625, reconstruída muitas vezes e destruída pelas autoridades soviéticas em 1936. Mas no começo da década de 1990, ela foi reconstruída seguindo seus primeiros traços arquitetônicos.

3. Loja GUM

Em tempos antigos, a Praça Vermelha abrigou um grande mercado e era local de trocas. Na atualidade, esse visual mudou, mas o teor comercial continua o mesmo. Outra face de uma época diversa na superfície eclética da Praça Vermelha é GUM (da sigla em russo, Loja Universal Estatal) , um exemplo do estilo pseudo-russo. O prédio é coberto por uma construção arqueada de vidro e aço feita pelo renomado engenheiro Vladímir Shukhov.

O GUM é a principal shopping center da Rússia, e admirar a construção de dentro comendo um sorvetinho – que é vendido em lojas especiais ali - é obrigatório para qualquer turista.  O estrangeiro não terá essa sensação completa, mas isso tem sabor de infância na União Soviética, quando essa era a sobremesa favorita no país.

Aliás, existe ali também um ótimo café com vista espetacular da Praça Vermelha e dos muros do Kremlin. Os preços são apropriados. Outro local que vale a pena visitar ali dentro é o “Gastronom N° 1”, onde se pode comprar caviar, vodca etc.

4. Lôbnoie Mêsto

Existe uma lenda que diz que o “Lôbnoie Mêsto” era um local de execução pública, mas que não era usado para tal com muita frequência. De qualquer maneira, o “Lôbnoie Mêsto”era um local na Praça Vermelha onde ocorriam discursos oficiais, e foi mencionada em crônicas como o primeiro local onde Ivan, o Terrível anunciou a conquista do Canato de Kazan.

Em 1698, porém, houve uma execução em massa ali, quando os “streltsi” - membros de uma divisão do exército de Moscou - participaram de um levante e foram mortos nesse local. O pintor Vassíli Súrikov dedicou uma de suas obras a esse evento, a pintura “Uma manhã da execução dos streltsi”.

5. Catedral de São Basílio

Esta catedral que mais parece uma construção de doces saída de “João e Maria” é um dos símbolos mais conhecidos de Moscou e da Rússia, reproduzidos em milhões de cartões postais e suvenires. A construção foi erguida por Ivan, o Terrível, entre 1555 e 1561 em homenagem à anexação de Kazan e da conquista do Canato de Kazan.

Vale a pena não apenas tirar fotos do lado de fora, mas também espiar lá dentro: de murais pintados dentro das cúpulas, aos portões do altar em diferentes capelas e iconostasis, também acontece muito de se encontrar um coral de canto ortodoxo cativante no interior da catedral.

6. Necrópole nos muros do Kremlin

Enquanto o líder da Revolução Russa de 1917, Vladimir Lenin, descansa no mausoléu, a maior parte das autoridades soviéticas e herois estão enterrados junto aos muros do Kremlin. É ali que se encontra, por exemplo, Iossif Stálin – que inicialmente repousava junto a Lenin no mausoléu, mas, em 1961, foi colocado para fora do local. 

Se você der uma volta nessa necrópole, verá toda a história da URSS diante dos olhos: os ministros, todos os marechais soviéticos, o cosmonauta Iúri Gagárin, o escritor Maksim Górki, e muitos outros tiveram a honra de ser enterrados ali – como John Reed, o autor de “Os dez dias que abalaram o mundo”. O último homem a ser enterrado junto aos muros do Kremlin foi o líder soviético Konstantín Tchernenko, em 1985.

7. Eventos diversos

A Praça Vermelha abriga uma diversidade de festivais, concertos e outros eventos de entretenimento.

Em 12 de junho é a vez da Moscow City Racing, uma verdadeira alegria para fãs da Fórmula-1. A rota ficará à beira dos muros do Kremlin e os pilotos mais famosos da Red Bull, Svuderia Ferrari, Lotus, McLaren-Mercedes e outras estarão presentes, além do rali da Kamaz.

(Com a Gazeta Russa)

Nenhum comentário :